sábado, 12 de setembro de 2009

Classificação GP da Itália: Liuzzi, incrível Liuzzi

Que a Force India está rápida com pistas de alta velocidade, todo mundo percebeu. Mas se esperavam chorar com Badoer realizando seu sonho e vibrar com Fisichella pilotando a Ferrari em Monza, os italianos mal podiam imaginar que o conterrâneo do dia seria Vitantonio Liuzzi.

Ao substituir Fisichella na Force India, esperava-se, ainda que inconscientemente, que o ex-piloto da STR tivesse dificuldades muito parecidas com as que teve Badoer e, agora, Fisi.

Mas Liuzzi mostrou algo diferente. Mostrou, talvez, que a VJM02 é um carro fácil de pilotar e o F60 difícil. Claro que são suposições, mas o fato é que o carro demonstra ser fácil de se assimilar de uma hora para outra.

A F1 e os fãs sabem que Liuzzi não é nenhum Senna e não venceu quase nada nas categorias de base. Mas o piloto foi surpreendente em sua estreia na Force India com as especificações de 2009, um carro que ele pilotou esse ano, embora muito pouco, nos testes de inverno.

Para uma comparação objetiva, no Q2, Fisichella ficou a 475 milésimos de Raikkonen. Liuzzi ficou a apenas 137 milésimos de um Sutil, que quase marcou a pole no Q3, é um piloto arrojado e muito bom, embora não muito consistente.

Veja bem, Sutil teve que ter uma Force India em boa forma para conseguir algo no campeonato, correndo na equipe há dois anos. Liuzzi, no primeiro dia de treinos no carro já praticamente andou no mesmo ritmo do companheiro.

Já Fisichella, que é um piloto experiente e rápido, foi para o F60 e foi bem mais lento que Raikkonen, sendo que tinha a vantagem de já estar correndo na F1.

Mais uma vez, fica muito claro que a tarefa de quem quer que seja pilotando a Ferrari seria hercúlea, e fica mais fácil respeitar Luca Badoer e, claro, o próprio Fisichella, pelo que fizeram e estão a fazer na equipe rossa.

É ainda mais indicativo do quanto Felipe Massa e Kimi Raikkonen são pilotos incríveis, realmente acima da média da F1, para dominar um carro que, por duas vezes seguidas, já se provou ser difícil de pilotar, acertar, andar rápido e adaptar.

Criticar é muito fácil, mas usar de dois pesos e duas medidas para fazer valer um ponto de vista é um dos erros mais primários do jornalismo e da opinião. É preciso consistência, argumentos, informações e dados para se chegar a uma conclusão.

E ainda assim, é possível estar errado.

Errada está a Ferrari em tentar tapar o Sol com a peneira e arrumar pilotos tampão para salvarem o terceiro lugar no campeonato. Pobres pilotos, que acabam seduzidos por um sonho impossível, tornando tudo um grande pesadelo.

5 comentários:

Willian Ceolin disse...

Realmente incrível a performance do Liuzzi. Ainda mais sensacional se nós compararmos com os demais estreantes da temporada!

Mudando de assunto, parabéns pelo blog, Daniel. Está muito bacana!

Daniel Gomes disse...

E com uma Force India ainda! Vamos torcer para tanto Sutil como Liuzzi fazerem uma boa largada e se manterem na prova. O que menos precisamos é de gente abandonando na primeira curva!

Quanto mais embolado, melhor!

Obrigado pela visita, Willian.

Vou colocar seu blog nos relacionados!

Willian Ceolin disse...

Com certeza. Quanto mais embolado, mais emoção!

Valeu, Daniel! Também coloquei o seu lá nas minhas indicações.

Abraço!

Ridson de Araújo disse...

Exatamente Daniel. Liuzzi mostra, ao lado de Fisichella, que não é fácil pilotar um carrro de F1, mas que dependendo do momento e da dirigibilidade do carro, eles podem realmente nos surpreender. Badoer teve muito azar de ter ido lá naquelas condições. Talvez ele até arriscasse não ser último em Monza conhecendo bem a pista e seus segredos.

Daniel Gomes disse...

É Ridson, é difícil apostar nisso (Badoer indo bem em Monza) pq ele falou que poderia ir bem em Spa tb, mas, de todo modo, foi sacrificado muito cedo na minha opinião.