quarta-feira, 8 de abril de 2009

Entrevista com Timo Glock


O piloto dá suas impressões sobre o GP da Malásia.

Pergunta: Você largou e terminou em terceiro na corrida, mas não foi tão simples assim, foi?
Timo Glock: Absolutamente não. Foi uma corrida traiçoeira, especialmente do ponto de vista estratégico e então, quando a chuva caiu, ficou impossível de pilotar naquelas condições. Para mim, foi uma corrida cheia de ação e muito divertida. Eu perdi algumas posições na primeira curva, mas quando coloquei os pneus intermediários, fui o mais rápido na pista e ultrapassei vários carros e lutei lá na frente. Foi inacreditável.

P: O que houve na largada?
TG: Eu patinei demais e fiquei muito lento na largada. Então, quando estava me preparando para a primeira curva, olhei para a esquerda e de repente Fernando (Alonso) e Kimi (Raikkonen) estavam lá; eu não podia acreditar! Significava que eu estava do lado de fora da curva 1 e foi bem complicado apenas contornar a curva sem danificar a asa dianteira. Então, ao fim da primeira volta, eu estava em oitavo, o que foi muito frustrante e eu achei que destruiu minhas chances de estar no pódio. Eu estava em um grupo de carros preso atrás do Fernando, com Mark (Webber) diretamente na minha frente. Eu estava bem mais rápido, mas não conseguia me aproximar o suficiente para ultrapassar. Eu tentei uma vez, mas danifiquei minha asa dianteira, perdi um pedaço da asa, mas no fim das contas não fez muita diferença em termos de performance.

P: O que você estava pensando quando a chuva começou a cair?
TG: Eu podia ver as nuvens negras vindo em direção ao circuito depois de cinco ou seis voltas, então eu perguntei ao meu engenheiro quando a chuva iria começar. Ela começou, mas não tão forte como talvez outras pessoas esperassem. A equipe deixou a opção de pneus para eu resolver e eu decidi arriscar com os pneus intermediários, porque não estava chovendo tanto naquele momento. Eu sabia que vários pilotos estavam com os pneus de chuva, então era um risco, mas eu pensei que valeria a pena.

P: Como foi pilotar com os intermediários naquele momento?
TG: Definitivamente foi a decisão correta, porque eu fui o carro mais rápido por umas boas voltas. Depois do meu pit-stop, eu estava fora dos 10 primeiros, mas os intermediários eram claramente os melhores pneus para aquelas condições e eu estava muito mais rápido que os caras com pneus de chuva. Meus pneus estavam se desgastando, mas a equipe continuou me dizendo que eu era o cara mais rápido da pista, então continuei forçando e ultrapassando o pessoal. Em algumas voltas, de fora dos 10 primeiros eu passei a correr em segundo. Foi incrível e muito empolgante, mas eventualmente meus pneus acabaram mesmo destruídos e eu tive que entrar para trocar por pneus de chuva.

P: Como foi dirigir embaixo de chuva torrencial?
TG: Estava mais para natação, pra ser honesto! Mesmo quando dirigíamos atrás do Safety Car, foi quase impossível, porque os carros estavam deslizando pra todos os lados. Havia muita água. Foi uma situação confusa com todo mundo fazendo pit-stops e alguns carros rodando. Num certo ponto, achei que estava liderando a corrida, mas então Jenson Button saiu dos boxes bem na minha frente. Quando a bandeira vermelha veio, eu estava em segundo, mas fui pro pódio em terceiro.

P: Você está feliz com o terceiro lugar?
TG: Estou definitivamente feliz com o terceiro lugar e com meu segundo pódio na Fórmula 1. É um ótimo resultado e eu tenho que agradecer à equipe, pois todo mundo na pista e na fábrica trabalhou duro no inverno e esse é o resultado. Nós acabamos no pódio em ambas as corridas até agora e merecemos estar lá. Nosso carro é muito rápido e todo mundo está fazendo um ótimo trabalho. Nós mostramos do que somos capazes e agora vamos continuar forçando a barra para sermos uma das equipes vencedoras dessa temporada.

P: Quais são suas expectativas para a próxima corrida?
TG: Estamos em segundo no Campeonato de Construtores e tivemos nossos dois carros no top 4 em ambas as corridas nesta temporada, então nosso objetivo é terminar no pódio de novo na China. Eu terminei com pontos na China ano passado, mas nosso carro agora é muito mais competitivo. É mais estável, você pode forçá-lo mais como piloto e é obviamente mais rápido em relação à concorrência. Mal posso esperar!

Fonte: http://www.toyota-f1.com/en/season/gp2009/02_malaysia/review.html
Tradução: Daniel Gomes

Um comentário:

Bruno Santos disse...

O Glock escolhe os pneus e o Raikkonen (campeão mundial) não tem voz na equipe? Estranho até demais, mostra o panorama da Ferrari atualmente.
Glock já mostrou que é muito bom de chuva também, um piloto que gosto muito. Depois que teve um acidente forte, voltou ainda mais rápido.
Abraço.

(Respondi no meu blog o seu comentário. O reinado da Brawn vai acabar em breve...)