sexta-feira, 1 de maio de 2009

Button x Barrichello: a vantagem do inglês na pista - Parte Final

Para fechar questão na comparação entre Jenson Button e Rubens Barrichello enquanto foram companheiros de equipe na extinta Honda, cujas partes 1 e 2 você pode conferir aqui e aqui, você verá abaixo uma compilação das posições de largada de ambos os pilotos de 2006 a 2008.

Nas qualificações, a história entre os dois fica muito mais parelha, pois, de 53 corridas disputadas entre eles, por 27 vezes Button largou na frente do companheiro, enquanto em 26 delas, foi a vez de Barrichello fazer os melhores tempos.

2006

Bahrein - Rubens 6º x Jenson 3º

Malásia - Rubens 12º
(-10 pos.) x Jenson 2º
Austrália - Rubens 17º x Jenson 1º
San Marino - Rubens 3º x Jenson 2º

Europa - Rubens 4º - Jenson 6º

Espanha - Rubens 5º - Jenson 8º
Monaco - Rubens 5º - Jenson 13º
Inglaterra - Rubens 6º - Jenson 19
º

Canadá - Rubens 9º - Jenson 8º

EUA - Rubens 4º - Jenson 7º
França - Rubens 14º - Jenson 19º

Alemanha - Rubens 6º - Jenson 4º

Hungria - Rubens 3º - Jenson 14º (-10 pos.)

Turquia - Rubens 14º - Jenson 7º
Itália - Rubens 8º - Jenson 5º
China - Rubens 3º - Jenson 4º

Japão - Rubens 8º - Jenson 7º
Brasil - Rubens 5º - Jenson 14º


2007

Austrália - Rubens 17º x Jenson 14º

Malásia - Rubens 22º
(-10 pos.) x Jenson 15º
Bahrein - Rubens 15º x Jenson 16º

Espanha - Rubens 12º x Jenson 14º
Mônaco - Rubens 9º - Jenson 10º
Canadá - Rubens 13º - Jenson 15º

EUA - Rubens 15º - Jenson 13º

França - Rubens 13º - Jenson 12º
Inglaterra - Rubens 14º - Jenson 18º
Europa - Rubens 14º - Jenson 17º
Hungria - Rubens 18º - Jenson 17º
Turquia - Rubens 22º (-10 pos.) - Jenson 21º (-10 pos.)
Itália - Rubens 12º - Jenson 10º
Bélgica - Rubens 17º - Jenson 12º

Japão - Rubens 17º - Jenson 6º

China - Rubens 16º - Jenson 10º
Brasil - Rubens 11º - Jenson 16º


2008

Austrália - Rubens 10º - Jenson 13º

Malásia - Rubens 14º - Jenson 11º
Bahrein - Rubens 12º - Jenson 9º

Espanha - Rubens 11º - Jenson 13º
Turquia - Rubens 12º - Jenson 13º

Mônaco - Rubens 15º - Jenson 12º

Canadá - Rubens 9º - Jenson 19º (largou dos boxes)

França - Rubens 18º (-5 pos.) - Jenson 17º

Inglaterra - Rubens 16º - Jenson 17º

Alemanha - Rubens 18º - Jenson 14º
Hungria - Rubens 18º - Jenson 12º
Europa - Rubens 19º - Jenson 16º

Bélgica – Rubens 16º - Jenson 17º
Itália - Rubens 16º - Jenson 19º
Cingapura - Rubens 18º - Jenson 12º
Japão - Rubens 17º - Jenson 18º
China - Rubens 14º - Jenson 18º

Brasil - Rubens 15º - Jenson 17º


Com essas informações em mãos, fica claro que Rubens e Jenson são pilotos muito similares no que diz respeito à velocidade pura, às chamadas flying laps, ou glory laps, ou seja, as voltas rápidas. Entretanto, isso não vence corridas e muito menos campeonatos.

Se cruzarmos os dados acima com os resultados das corridas, veremos nada mais que o óbvio demonstrado nas provas da temporada 2009 até aqui. Na pista, na constância, nos tempos médios, na corrida em si, Jenson Button bate Rubens Barrichello.

Mesmo largando atrás de Barrichello praticamente na metade das vezes em que correram juntos, Button conseguiu chegar na frente do companheiro oito vezes a mais quando ambos terminaram a corrida. Isso significa que o ritmo de prova do inglês é fortíssimo e sua constância com certeza lembra aquela de um relógio.

Não deve ser coincidência então que, quando à bordo de um bom carro como o BGP001, Button forma com Ross Brawn uma das duplas mais dominantes da Fórmula 1, perdendo apenas para duplas como Schumacher/Brawn, Senna/Dennis, ou Piquet/
Ecclestone.

Na primeira foto, Senna/Dennis, na segunda, Piquet/Ecclestone,
e na terceira, Schumacher/Brawn


É claro que Ross Brawn sabe das qualidades, da competência e da tremenda experiência de Rubens Barrichello e deixou isso claro ao escalar o piloto para sua própria escuderia, mas o certo é que, quanto mais constante o piloto, mais fácil para Ross Brawn moldar um grande campeão.

Button/Brawn

A vez de Barrichello, segundo ele próprio diz, ainda não veio. Dificilmente o piloto admitiria isso para si mesmo, mas Rubinho sabe que está de novo à sombra de uma grande dupla, Button/Brawn, e que se quiser conseguir seu lugar ao Sol ainda este ano, vai ter que ser muito mais do que um brasileirinho contra o resto do mundo.

Ele terá que ser rápido e rasteiro.

4 comentários:

Ingryd Lamas disse...

ótima análise!!!!

é muito bom ler coisas imparciais e com conteudo por ai!


bjs

Henry disse...

Dan G.
Acabei de conhecer o seu Blog a partir de recomendação do ICO.

1abraço

Hugo Becker disse...

Análise perfeita, como sempre. E uma prova clara disso foi o GP da China, com Rubens classificando-se à frente de Button com o carro mais pesado, algo que poderia ser o grande início de sua recuperação no campeonato. O final da prova, todos nós conhecemos.

Abraço!

Enio disse...

Olá Daniel,

Muito bom mesmo!

Fico feliz em ter encontrado um site em que possamos ter uma visão "imparcial" do que realmente está acontecendo.

Parabens!

Enio Oliveira
www.aboutf1.com