segunda-feira, 17 de maio de 2010

GP de Mônaco: o franco-atirador

Se você acompanha o Splash-and-go, sabe que este escriba não simpatiza e nunca simpatizou com o polonês Robert Kubica. Se não por seus resultados até 2009 pouco consistentes, pelo simples fato de "Quick" Nick Heidfeld, muito menos badalado, ter batido o polaco em dois dos três anos que correram juntos na BMW, fato este que derruba o frenesi que se causou em cima de Kubica.

Becken Lima aliás fez em seu F1 Around um bom apanhado da disputa entre os dois nesses três anos e apontou de forma clara e inequívoca a derrota do polonês. Além disso, embora Heidfeld nunca tenha vencido, não fosse uma série de desventuras dos primeiros colocados, Kubica também não teria tido sua almejada primeira vitória em Montreal em 2008.

Essa introdução serve apenas para demonstrar que é possível ter uma visão e depois mudá-la. Ser levado pelos fatos a trocar de lado, a rever sua posição e admitir que estava errado. Kubica este ano está simplesmente fora de série. O autor deste blog está quieto no seu canto saboreando uma amarga "humble pie", algo como as "sandálias da humildade" dos britânicos.

Neste post, o Splash-and-go cravou que Kubica nada faria de diferente pela Renault e recíproca seria verdadeira. Mas hoje é justo dizer que, embora provável, tal situação está se mostrando irreal. A Renault tem feito um trabalho incrível e, não fosse Petrov no segundo assento desperdiçando pontos, é provável que estivesse até à frente de Mercedes e McLaren no campeonato de construtores.

Isso não é pouco para uma equipe que, após o campeonato de 2006, se tornou medíocre, mesmo nas mãos do grande Fernando Alonso. Para completar, o escândalo de Cingapura e as péssimas performances de Piquet Jr e Grosjean não ajudaram a levantar o nome da gigante francesa.

Mais eis que surge Robert Kubica com uma performance sensacional, uma tenacidade de campeão, uma motivação de estreante. "Mas Mônaco é uma pista diferenciada. Uma exceção à regra", dirão alguns. É, mas basta uma rápida olhada na tabela de pontos para ver que o polonês está "on fire".

Com 59 pontos, empatado com Hamilton, mas à frente do inglês por conta de critérios de desempate, a dois pontos de Felipe Massa, dois pódios e um quase terceiro lugar na Malásia, Kubica ocupa o sexto lugar na tabela, mas a uma distância curta de Jenson Button, quarto lugar, com 70 pontos.


É razoável dizer que Kubica perdeu o segundo lugar em Mônaco na largada. Preocupado que estava em bloquear Vettel, quase perdeu a posição para Massa, mas conseguiu se manter em terceiro. Foi nítida a falta de grip de Kubica, pois Vettel e Webber largaram na mesma toada e melhor.

Foi uma pena porque depois da largada, Kubica se manteve firme atrás do alemão enquanto Webber sumia à frente. Vettel parecia de fato não estar na sua melhor forma, mas mesmo assim, ele pilotava a mesmíssima Red Bull de Webber que com certeza é um carro bem melhor que o R30 de Kubica.

A Mercedes era considerada a quarta força do campeonato,
mas Kubica está estragando a festa das flechas prateadas


Neste momento, o melhor para o campeonato é assistir à ascensão de Robert Kubica, se colocando firmemente entre as duas McLaren de Hamilton e Button, separando também as duas Ferrari de Massa e Alonso e, o melhor, deixando o chassi W01 de Schumacher e Rosberg para trás.


O GP da Turquia muito provavelmente voltará a ser dominado pelas Red Bull, mas será interessante continuar especulando qual dos times do G4 Kubica vai "partir" ao meio. Não tem nada mais interessante que um franco-atirador com claras chances de título para o campeonato pegar fogo.

Que o diga Kimi Raikkonen em 2007.

4 comentários:

Daniel Médici disse...

Sou um admirador do Kubica já há algum tempo, mas isso não significa que eu esteja me gabando. Ninguém pode prever o futuro, e eu mesmo não teria tido pudor em mudar minha opinião a respeito do polonês, caso neste ano seus resultados estivessem abaixo da linha da mediocridade.

Quanto à sua disputa com Nick Heifeld, acredito também que os resultados de ambos flutuavam de acordo com as características de pilotagem que o carro privilegiava a cada momento. Mas não é vergonha nenhuma ficar atrás de Quick Nick, principalmente quando se é iniciante: Kimi Raikkonen, Mark Webber e Felipe Massa também foram batidos por ele, em equipamentos iguais.

Seu desempenho em Mônaco foi mágico, porque o risco de se andar acima do limite do carro lá é maior que em qualquer outro lugar. Foi de encher os olhos.

Marcelonso disse...

Daniel,

Robert Kubica com a Renault tem sido a surpresa da temporada,arrisco dizer pelo equipamento que tem,no momento é o melhor do grid.

Também apontava o naufrágio de Kubica na Renault no inicio da temporada,acho que nem a mãe Dinah poderia prever tal feito.

abraço

Pablo Habibe disse...

Tenho dito, Kubica seria campeão este ano no lugar de Webber.

Chegar a liderança do campeonato apenas agora, depois de ter participado do desenvolvimento do que é o melhor carro do ano (e do segundo semestre de 2009) é pouco para quem quer ser campeão. Webber é um cheque sem fundos...

Daniel Gomes disse...

Pablo, tb não boto muita fé no Webber.

Vamos ver até quando dura essa boa forma do australiano, mas que ele deu SHOW em Barcelona e Monte Carlo, não há dúvida.

Duas vitórias "back-to-back" incontestáveis é pra poucos.