terça-feira, 18 de agosto de 2009

Renault: diplomacia ou cinismo?

Algo curioso chamou a atenção no divórcio entre Piquet Jr. e Renault. Lembra um pouco o que houve na época da separação entre Barrichello e a Ferrari.

A guerra de palavras por meio da imprensa entre Piquet e Briatore foi intensa, verborrágica e cínica.

Por mais que seja interessante ver um piloto dizendo o que pensa, ou um dirigente, é difícil ver de fato o que Piquezinho ganhou com o que falou.

Ainda que o piloto seja filho de um tricampeão pra lá de influente, é Briatore quem comanda uma das mais bem sucedidas equipes da moderna F1 há 20 anos.

Além disso, levou Michael Schumacher aos seus dois primeiros títulos e, como se não bastasse, Fernando Alonso ao seu também debutante bicampeonato.

Argumente-se o contrário, mas Alonso e Schumacher são os dois melhores pilotos dos mesmos últimos 20 anos na categoria.

Dito isso, com a confirmação de Romain Grosjean no lugar de Nelsinho, a Renault soltou um comunicado curto e conciso sobre a transição.

Muito diferente da longa carta aberta que Piquet publicou em seu site oficial, justificando, lamuriando e atacando sua ex-equipe.

O comunicado da Renault (leia na íntegra aqui) diz exatamente o seguinte:

A equipe ING Renault F1 anunciou hoje que Nelson Piquet foi liberado de suas obrigações para com a equipe com efeito imediato. A saída de Nelson segue um acordo mútuo sobre o fato de este curso de ação estar nos melhores interesses de ambas as partes.

E mais:

Estamos felizes de dar a Romain a chance de começar a correr com a equipe. Ele é um jovem talento de destaque e esperamos que ele mostre suas habilidades na direção ao lado de Fernando enquanto tomamos uma postura mais agressiva para a segunda metade da temporada. Também gostaríamos de agradecer a Nelson por sua contribuição durante o tempo em que esteve conosco e desejamos a ele tudo de melhor no futuro.

Ponto final.

Duas frases.


Nenhuma palavra de agressão, de remorso, nenhuma palavra negativa.

Pode-se dizer que a assessoria de imprensa da equipe trabalhou bem? Sim.


Mas o fato é que, no âmbito geral, ficou muito feio para Nelsinho Piquet ter chorado tanto após sua saída.

O melhor que tinha a fazer era ficar calado e manter o pé no chão (ou afundá-lo no acelerador, como queira).

As chances de a Renault se dar bem na F1 são inversamente proporcionais às chances de a eventual equipe de Nelson Piquet Sr. se dar mal com seu filho no cockpit.


Nelson Piquet, o tricampeão, tanto criticou Rubens Barrichello por ser lento e falastrão, mas perdeu a oportunidade de fazer com que seu filho fosse o oposto.

Até agora, Nelsinho Piquet foi apenas isso: lento e falastrão.

É justamente nessa hora que Felipe Massa, rápido, carismático e calado, faz mais falta.

Cínica ou diplomata, a Renault lidou muito bem com a situação entre Briatore e Piquet Jr. No fim das contas, quem tinha que mostrar serviço de fato era Piquet, e não o polêmico italiano.

E nisso, a roda da história da F1 gira, não sem antes esmagar alguns ossos.

4 comentários:

Felipão disse...

Daniel... concordo em tudo que escreveu. O único perdedor nisso tudo foi o Nelsinho... O pessoal da Fórmula-1 é rancoroso... pode ser que nem mesmo essas novas equipes queiram seus serviços de piloto "experiente" para se iniciar na Fórmula-1....

Paulo Maeda™ disse...

concordo em gênero e degrau rs. Nelsinho fez tudo o q não deveria ter feito, agora as portas vão se fechar pra ele e vai ser ainda mais lembrado de "piloto que deu certo pq correu na equipe do papai..."

Marcelonso disse...

Daniel,


O fato de ser dispensado bagunçou a kbça do filhinho de papai,um desabafo é ate aceitável,mas insistir em lamurias como tem feito,só trabalha contra.

Será complicado arrumar um assento para o proximo ano.


abraço

Ingryd Lamas disse...

Aonde assino?????

Eu sou fã declarada de Nelsão, mesmo com tudo aquilo que ele já fez, falou ou deixou de fazer, e acredito que tudo isso só tenha feito aumentar minha "veneração".
E confesso, que me divirto com todas as entrevistas de Nelsinho, e todas as vezes que ele abre a boca, em qualquer espécie de mídia, sei que vou me divertir um bocado...
Há alguns meses atrás não, achava absurdo o modo com que ele se comportava, como se estivesse fazendo um favor pra todos nós por estar na F1 e que o preço que pagariamos seria ouvir sua sinceridade desmedida por aí, com o tempo passei a acreditar, que com um pai como Nelsão, medir palavras não deve ser algo que se aprende no berço, e a linguagem de Nelsinho, mesmo xula, conquista, porque é o "dialeto" da galera, da minha galera, ele parece real quando fala, mesmo quando fala merda, como um bom "vinte e pouquinhos" falaria entre um grupo de amigos.
Mas nesse comunicado que ele publicou, anunciando a saída, achei que perdeu a linha, não que não tenha sido engraçado ler tudo aquilo, ou que duvide da procedencia do que ele tenha dito, todos sabem que Briatore é um "esmaga pilotos", que não entende "nada" da parte técnica e sim da lojística da coisa, mas ainda assim, todos sabem que Michael e Fernando vieram de suas mãos, e que isso, certamente quer dizer alguma coisa.
O que Nelsinho conseguiu, foi ficar mais uma vez, "mal na fita", se Britaore, ou Renault não teriam nada a perder ao declarar diabos sobre Nelsinho, essa não o fez, fingiu ser "maior" e dois simples parágrafos deram o recado sem mais ofensas, e sairam como os "santos" da História. Nelsinho por sua vez, tinha muito o que perder publicando tudo o que publicou, se naõ tinha o que perder, teria muito menos o que ganhar.
Não foi rápido, e não me interessa as condições as quais foi submetido, ngm nunca se importou com as de "rubinho pé-de-chinelo", falou mais do que devia, sempre, e saiu de sua primeira equipe na F1, sem ter mostrado nada de concreto e com fama de "filhinho de papai".
se alguém perdeu nessa história, certamente foi ele.
e é bom que digam, ou relembrem a ele, que os peixes, morrem pela boca, e que em palavra dita, ou escrita, não se volta atrás.
Mais cautela e cabeça fria na próxima, acho que não faram mal...


(PQP fiz um testamento aqui... AUAuhauhaUHAUHUAh)

bjoooooos