sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Pé-no-saco

Só hoje, o autor deste blog contou pelo menos 10 manifestações negativas e de censura de blogueiros e jornalistas, "famosos" ou não, sobre a declaração que Barrichello deu esta semana ao visitar a fábrica da Cosworth, cujos propulsores vão equipar a Williams na temporada que está por vir.

Para contextualizar, primeiro a frase original de Rubens em inglês, a qual ele disse no vídeo abaixo a partir do minuto 2:52:


I could have said after five years of F1, 'this is a difficult one and I don't know if I'm gonna be doing this', but after such a long time I am still very hungry.

The dream to become world champion is closer than ever. [I am] feet on the ground working as hard as I can and very hungry for success.

Agora a tradução:

Eu poderia dizer após cinco anos de F1, 'isso é muito difícil e não sei se vou continuar fazendo isso', mas depois de tanto tempo, ainda estou muito motivado.

O sonho de ser campeão mundial está mais próximo do que nunca. [Eu estou] com os pés no chão, trabalhando o máximo que posso e ávido pelo sucesso.

A segunda frase foi prontamente metralhada pelos detratores de Barrichello, o que, com toda a honestidade, já beira a paranoia inversa. É um verdadeiro pé-no-saco a excessiva atenção que se dá a tudo que Rubens fala.

Se um piloto de F1 não começar uma temporada com um sonho, ele deve começar com o que? Um pesadelo? Qual o objetivo de todos os pilotos do grid? Ser campeão ou ser retardatário? E qual o sonho de todos os pilotos do grid? Ser campeão ou ser terceiro piloto?

Se o objetivo e o sonho de todos é o mesmo, por que não se pode dizer que o sonho está próximo? E o que significa isso? Que "serei campeão" ou que "o sonho está sempre lá, se serei ou não, depende de um milhão de variáveis das quais uma delas sou eu".

O histórico de Barrichello todos conhecem, mas é o cúmulo da "pachequice" ao contrário a infantilidade com que todos os "entendidos", quase sem exceção, metem a língua no que o piloto fala ou deixa de falar.

O mais curioso é que todos embarcam na mesma canoa furada e parecem repetir um discurso pronto só para, no fim de mais uma temporada, vir com o famoso "eu não disse?".

Flávio Gomes e Fábio Seixas, só pra ficar nos dois "famosos" mais chatos do mundinho virtual da F1 brasileira, já deixaram sua marquinha sobre o que o veterano brasileiro disse.

Depois disso outra horda de gente, muitas apenas para não deixar passar a oportunidade, também já se manifestou, seja no Twitter, seja em seus blogs ou seja em qualquer buraco virtual onde ninguém fica sabendo o que acontece.

O mais irônico da história é que, no fundo, todos querem comprar o boi de Rubinho e todos sabem do inferno que ele passou na Ferrari, forçosamente ou não, e todos sempre vêm com o papo de que "ele não aprende".

A pergunta que fica é, se ele "aprendesse", o que aconteceria?

A resposta é nada. Mesmo com 38 anos para serem completados e 17 temporadas completas na F1, o fato é que todo mundo queria ver o cara desencantar e ser o primeiro campeão brasileiro desde Senna, mas o peso da frustração de não vê-lo campeão bate fundo e não têm mais o que fazer a não ser criticá-lo.

Haja paciência com tanta atenção a algo tão ingênuo e despretensioso.

12 comentários:

itamar disse...

Declaracoes a parte (tbm acho ridiculo pegarem tanto no pé do Rubens), vamos tentar analizar de outra forma:

Barrichello, que usou Mercedes ano passado, andou dizendo no twitter que gostou do que estava vendo com relacao aos motores. Agora ele vai na Cosworth e volta feliz da vida. Ou Barrichello é um bobao ou os motores devem empurrar uma barbaridade. Acredito na segunda hipotese.

Eu acabo de me lembrar que a Williams inaugou um centro de tecnologia no Qatar ano passado e deve colher alguns frutos no projeto desse ano. Sei nao, hein? Sera que teremos uma Williams esmagadora?

José Inácio Pilar disse...

Você está CERTÍSSIMO.

Christiano disse...

Gosteeeeeeeeeei!

Paulinha disse...

Concordo em genero, número e grau...tudo que o Rubinho fala é motivo para criar proporções mtooo grandes, esses "jornalistas" esperam uma virgula a mais ou menos...e é claro o publico desinformado mta das vezes vai na onda deles...

Parabéns pela matéria!!!

Felipe Maciel disse...

Não tem jeito, toda vez que ele abre a boca dá nisso: quem não gosta do cara cai de pau, e quem gosta defende com unhas e dentes. Daí arma-se o barraco no twitter, nos blogs e onde mais a net permitir.

Eu sou da opinião de que ele não deveria dizer isso. Por uma razão simples...

A frase foi: O sonho de ser campeão mundial está mais próximo do que nunca. Isso é verdade? Isso é fato? Não, não é. Se é mentira, ele falou bobagem. Se falou bobagem, vai ter gente criticando.

O problema é que o nenhum piloto da F-1 fala o mesmo discurso equivocado e com tanta frequência quanto Rubens. Os espectadores também têm direito de se cansar. Nós temos, em princípio, 4 equipes com distinto potencial. Nenhum dos 8 pilotos teve a ousadia de dizer em janeiro que nunca esteve tão perto de um título, sendo que ninguém conhece nem o próprio carro muito menos os dos rivais.

Independente das críticas, Barrichello se fere com as coisas da F-1 a ponto de apelar para livro de auto-ajuda. Isso ocorre porque traça objetivos que na maioria das vezes são inalcansáveis, contraindo para si a frustração pelo fracasso anunciado.

Pode ser que esteja errado, mas imagino que Rubinho continua na F-1 com essa idade não para ser campeão do mundo... mas para provar a todos que pode SIM ser campeão do mundo. São coisas diferentes: ele busca sobretudo reconhecimento.

O que pra mim é um erro. Primeiro porque não vai conseguir. Segundo porque ele deveria se lixar para o que pensam os brasileiros, ele não deve nada a brasileiro nenhum, ele não está na F-1 para pilotar para os brasileiros. Aquilo lá não é Olimpíadas, nenhum país está competindo. Só existe campeonato de piloto e de construtores. Mas ele só sabe falar que é brasileiro, é guerreiro e aquelas baboseiras que lembram a propaganda estúpida da Brahma.

Por que é que as palavras do Rubens ganham outras proporções, enquanto os outros brasileiros têm mais sossego? Lamento dizer mas acho que ele faz por onde.

Tavaresdemello disse...

Ainda há pouco, li o desabafo de Lívio Oricchio em seu blog... lá indicaram seu texto. Gostei da sua posição.

O problema da maioria das críticas à Barrichello, é que quase sempre tem dimensões incendiárias, uma paixão tão grande, que só denota que ali houve um amor cego.

Acabo de batizar estes chatos que não largam o pé e fazem questão de se manifestar sempre com a ira que cega a razão:

São as "Viúvas da Promessa"!.

Enquanto escrevia este comentário, pensei em outra denominação. Não tenho como afirmar se estaria sendo original, porém acho que a alcunha também procede.
Seriam eles as "Ex-noivas de Barrichello"?

Daniel Gomes disse...

Itamar, creio que Rubinho sabia que, ao menos, a Williams não seria uma Honda da vida.

Maciel, respeito sua opinião, mas discordo veementemente. Dizer que é falsa a afirmativa dele de que "o sonho de ser campeão está mais próximo do que nunca" advém pura e simplesmente de uma má interpretação do que ele quis dizer.

Eu já disse no post o que a frase de fato quer dizer, por isso não vou me alongar nos comentários.

De todo modo, obrigado por seu precioso insight, pois o considero muito na blogsofera automobilística.

Tavares de Mello, tem os que aceitaram as limitações e imperfeições do Rubinho e tem os que não aceitaram. Estes últimos não são nem viúvas da promessa nem ex-noivas de Barrichello. São viúvas do Senna mesmo.

Abraços!

Tavaresdemello disse...

Não sei se é por aí Daniel mas, são viúvas de campeôes brasileiros com certeza!

Então, usar uma alcunha que lhes defina quanto ao tema, poderá ser interessante. Encerrar uma discussâo idiota, deixar aqueles com sorriso amraelo, ou mesmo inflamar ainda mais aquela paixão,pode provocar uma boa risada!

Abraço

Felipe Maciel disse...

Daniel, só gostaria de esclarecer algo na minha opinião que não deixei muito claro. É com relação à frase dele.

Não quis dizer que é falso ele dizer: "O sonho de ser campeão mundial está mais próximo do que nunca".

A parte falsa é "ser campeão mundial está mais próximo do que nunca".

Ou seja, existência do sonho pode ser verdadeira, mas ele está sonhando com uma realidade fora de órbita.

Eu penso que ser campeão pode ser o objetivo da carreira de todo piloto, mas não o objetivo de cada temporada. A menos que você tenha motivos concretos para acreditar que seu carro lhe permite. A frase se dita no ano passado seria compreensível, quando ele sabia que seu carro era digno de título mundial. Mas dizer algo assim no mês de janeiro, em serviço da Williams, como o objetivo da temporada, não me soa legal.

Não estou comentando isso para você concordar comigo, respeito muito sua opinião como sempre, só estou esclarecendo o que falei anteriormente sobre a frase em si.

Grande abraço

Ridson de Araújo disse...

Eu concordo com o Daniel Gomes, mas entendo onde o Maciel quer chegar. Tudo bem que Rubens fez por onde, mas muitas pessoas não se dão o mínimo de criticidade para ver que a declaração foi totalmente deturpada e posta fora de contexto. Isso é um fato, e aqui neste blog isto foi claramente mostrado, e o próprio Rubens se deu ao trabalho d esclarecer via twitter; vejo dedo de Williams nisso: ele não quer criar nenhuma falsa esperança para a equipe, em seu projeto de recuperá-la. Sabendo, inclusive que Barrichello será peça fundamntal nisso.


Concordo com algo que foi dito aqui: A Williams deste ano vem mais forte que ano passado. O nível de seus pilotos será bem melhor e o do carro aparentemente também, e se o Cosworth ajudar...o motor Toyota era muito fraco, pois todos categoricamente afirmaram que o carro da Williams perdia em circuitos de alta justamente por ter um motor fraco; o carro era bem equilibrado, e podia ser melhor se tivesse mais grana para desenvolve-lo ao longo do ano.

Pamella Lima disse...

Não conhecia esse blog. Parabéns pela análise crítica e boa argumentação.
Concordo com o que vc escreveu.

João Luís disse...

Parabéns, muito bem colocado...